08 julho 2010

EMO Vs COLORIDOS

Muitos criticam, muitos defendem, toda história tem dois lados, queria mostrar um pouco de cada um dos dois:

-> Em 2006, 2007, não me lembro direito, Simple Plan estourou internacionalmente com um estilo classificado como EMO, algo que diziam ser novo, com franjas compridas, fãs chorando com suas músicas. Tempos depois no Brasil bandas como CPM 22 e NX Zero tornaram oficial as bandas EMO’s nacionais. Ainda mais adiante, após Fresno e outras bandas ganharem espaço com o grande púbico surgiu uma novidade, onde os ditos EMO’s trocaram maquiagem pesada e roupas pretas por roupas super coloridas, de forma tão exagerada a tornar ridículo a forma de se vestir.

-> Nacionalmente a banda Fresno, em 2001, ao tocar em shows com bandas de Hard Core foram classificadas por essas bandas como EMO, algo novo no meio internacional e bem visto pelas outras bandas. Sites como a Wikipédia vão bem além dizendo que o estilo deve existir desde os anos 80.

Quando surgiu ou como não mudam o que se tornou, afinal: por que parece algo tão ruim ser EMO?
Devemos lembrar como estão os jovens de hoje. A cada dia nasce uma nova geração, com maiores cobranças, cada vez mais sedo, uma maior liberdade. Vemos “crianças” de 12 anos beijando na boca e não dão atenção para brinquedos, da mesma forma com que essas mesmas “crianças” já pensam no seu futuro, sabem o que é faculdade e mechem com computador muito bem. Duas realidades que deveriam nos deixar em estado de choque, pois esses indivíduos na verdade já são adolescente mentalmente e perderam parte da sua infância, o que desequilibra todo um ciclo natural, tornando eles mais acessíveis a doenças como o estresse.

O grande problema é que essa juventude que nasce mais madura não tem bagagem para suportar e julgar esse amadurecimento, abraçando com tudo qualquer modinha disponibilizada pela mídia, achando algo extremamente necessário para sua vida fazer parte de modas sem motivo.

Uso de exemplo o vocalista da banda Fresno, Lucas Silveira, que disse em uma entrevista que esse EMO BIZZARO é algo que os próprios membros da banda não gostam. Realmente o EMO se tornou uma caricatura muito forte na sociedade, sem motivos ou qualquer bagagem.

Defendendo o lado dos EMO’s racionais, lembro do BLUES, um estilo musical que a tradução é literalmente DEPRESSÃO, de grande respeito, nascido nos EUA e expressava a tristeza da população negra do país, que viva em condições alarmantes. O BLUES também é muito conhecido por ser pai do ROCK’N ROLL, como o próprio Elvis Presey que também cantava BLUES. Se dizem que os EMO’s são chorões por terem musicas depressivas, o ROCK que tanto critica o EMO não existiria se não fossem músicas depressivas que falavam sobre amor para fugir da dor.

Outro motivo muito citado como um problema nas músicas EMO’s são as letras, sempre românticas e melosas. A maioria das musicas, em todo o planeta, falam sobre romance, pois é a forma mais simples de tocar outros corações, é algo que todos já viveram ou vão viver, uma experiência fácil de encaixar nas experiências de outras pessoas. No palco nacional, queria lembrar de uma música da MPB, chamada “Coração Babão”, eu conheço pela voz da querida Rita Lee: “Corta os pulsos no chuveiro, Escrevo no espelho, I love you você”; no Brasil foi muito relacionado a famosa situação de cortar os pulsos com um ato de pessoas que seguem o estilo EMO, sendo que é a forma mais famosa de tentativa de suicídio e mesmo de sensações de prazer para pessoas com certos problemas psicológicos. Sobre as letras das musicas EMO’s, na verdade não são todas românticas, mas muitas falam sobre amizade, tempo, vida, momentos de dificuldade.

Tem muitas coisas a serem ditas a respeito de todo esse PRECONCEITO ridículo contra os EMO’s, e ao mesmo tempo, muitas outras coisas a se dizer sobre os JOVENS que estão perdidos no mundo, apenas absorvendo o que os é exibido, sem filtrar nada, apenas aceitando e copiando. Mas não deve ser confundido o estilo exagerado das bandas com o dos fãs, afinal, se formos julgar pelas roupas das banda, os reis do EMO seriam: Kiss, Cindy Lauper e James Brown. Se for por falar de amor de forma incessante quase todas as bandas seriam EMO’s.

Mas queria sinceramente dizer que sou fã de RITMO & BLUES (R&B), que é uma das vertentes do BLUES, mais cantada e com guitarras sem chorar... eu considero o EMO estilo Fresno o mais próximo nacionalmente ao estilo. E realmente gosto, não acho infantil ou que as letras deixam a desejar, pelo contrário, encontrei neles o que a muito não via mais em bandas como Capital Inicial, Titãs, Legião Urbana... Então só peço encarecidamente: não fale do que não sabe. Procure entender de onde as coisas vieram, em vez de apenas aceitar o que a mídia exibiu.

Para provar um pouco do que disse, aqui está um vídeo do vocalista da Fresno, em 2001, falando sobre música EMO... repetindo: no ano de 2001!



[queria mesmo que muitos lessem esse texto e comentassem para discutir o assunto que de forma boba tornou-se um dos maiores motivos de bullying da década]

4 comentários:

  1. O que você acha da Restart 'GUH ? =)

    ResponderExcluir
  2. Gosto bastante... o Pe Lanza canta mal... mas nem ligo não, o som deles é bem legal!

    ResponderExcluir
  3. As bandas Legião Urbana e Capital Inicial eram concideradas bandas de rock, e o rock naquele tempo(anos 80) era tratado como agressivo, símbolo de revolta, anarquismo, mas essas bandas mostraram o outro lado da coisa, botaram mais sentimento, mais poesia, mostrou todo um lado "EMO" da coisa, isso foi muito bom.

    Acredito que todo tipo de discriminação seja um atraso muito grande de vida, pena que muita gente não aceita o diferente como parte dessa sociedade em que vivemos, parece que somos sempre obrigados a seguir um padrão de comportamento, jeito de se vestir, falar, se expressar, senão não nos encaixamos.

    Espero não ter fugido um pouco do assunto,rs.

    Um abraço!

    ResponderExcluir
  4. Não... é exatamente a opinião que queria. Tudo tem seu lado bom, um motivo adequado no tempo em que existe. Da sua forma se enquandra na sociedade da forma mais adequada.

    É o que mais estou tentando mostrar nos textos reflexivos... que a sociedade não é o que era a dois anos atraz, e as pessoas não se adaptaram as mudanças constantes, acham que tinha que ser como era, e não como é!

    Não sei se consegui mostrar, mas já falei que o amor não é como na época de nossos avos... somos programados pela sociedade... e acabamos sendo preconceituosos com tudo que a sociedade nos diz que devemos ser. Em resumo: não entendemos o que está ocorrendo em nossas próprias vidas, mas queremos julgar e opinar na dos outros!

    ResponderExcluir